Image Map

Slide

Como aplicar Business Intelligence em sua Contabilidade Fiscal ou aprimorar sua Contabilidade Consultiva

Olá, tudo bem?

O motivo deste post é para saber se você tem interesse em entrar na tecnologia de BI-Business Intelligence aplicada a área Fiscal e a Contabilidade Consultiva.

Caso você não saiba o que é BI-Business Intelligence, em uma tradução livre é Inteligência de Negócios. São técnicas com a aplicação de tecnologia onde é possível analisar uma grande quantidade de dados, informações e transformar informações que não fazem nenhum sentido em informações relevantes e que em conjunto podem ajudar na produtividade e na tomada de decisões.

Geralmente as ferramentas de BI, são aplicadas para temas gerenciais para se ter projeções, indicadores e análises gráficas.

Em um dos meus trabalhos que passei como consultor tributário eu conheci uma ferramenta de BI chamada de Qlikview que é a melhor ferramenta de BI do mundo atualmente. Isso foi por volta de 2013 maios ou menos.

4 Principais remédios para restaurar a saúde financeira de uma empresa

Olá pessoal, tudo bem?

Neste post eu quero compartilhar com você 4 dicas ou remédios para que se possa aplicar nas empresas para restaurar a saúde financeira delas. Essas dicar eu tirei do livro de Perícia Contábil do Wilson Alberto Zappa Hoog:

1) Igualar ou, se possível, vender com menor prazo do que os obtidos pelas compras;

2) Eliminar os estoques ociosos ou de giro extremamente baixo; o bom lucro é obtido pelo giro do estoque e não pelo armazenamento de grandes quantidades, que, além dos custos fixos de armazenamento, tem um altíssimo custo financeiro para financiar o capital parado ou de giro lento dos estoques. Quanto maior for a inflação, maior é o custo financeiro para se manter altos estoques ociosos. 

3) Comprar menos em cada compra e mais vezes do mesmo produto, o que aumenta o prazo médio de pagamento e diminui a necessidade de empréstimos. Além de diminuir o custo do capital para financiar os estoques, evitam-se as perdas inflacionárias, e diminui-se o lucro tributável das vendas. 

4) Buscar recursos para obter bens fixos, imobilizados, através de arrendamento mercantil, financiamento a longo prazo ou aumento de capital. 

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS OBRIGATÓRIAS

A Interpretação Técnica ITG 2000 (R1), aprovada pela Resolução CFC 1330/11, determina a necessidade de inclusão das Demonstrações Contábeis no Livro Diário. Com relação às demonstrações contábeis obrigatórias, como regra geral, destacamos o conjunto completo que está previsto no item 10 da NBC TG 26 (R5) - (Res. CFC 1.185/09):
10. O conjunto completo de demonstrações contábeis inclui:
(a) balanço patrimonial ao final do período;

(b) demonstração do resultado do período;

(ba) demonstração do resultado abrangente do período;

(c) demonstração das mutações do patrimônio líquido do período;

(d) demonstração dos fluxos de caixa do período;

(da) demonstração do valor adicionado do período, conforme NBC TG 09 – Demonstração do Valor Adicionado, se exigido legalmente ou por algum órgão regulador ou mesmo se apresentada voluntariamente;

(e) notas explicativas, compreendendo as políticas contábeis significativas e outras informações elucidativas; (Alterada pela NBC TG 26 (R3))

(ea) informações comparativas com o período anterior, conforme especificado nos itens 38 e 38A; (Incluída pela NBC TG 26 (R1))

(f) balanço patrimonial do início do período mais antigo, comparativamente apresentado, quando a entidade aplica uma política contábil retrospectivamente ou procede à reapresentação retrospectiva de itens das demonstrações contábeis, ou quando procede à reclassificação de itens de suas demonstrações contábeis de acordo com os itens 40A a 40D. (Alterada pela NBC TG 26 (R1))
A entidade pode usar outros títulos nas demonstrações em vez daqueles usados ​​nesta Norma, desde que não contrarie a legislação societária brasileira vigente. A demonstração do resultado abrangente pode ser apresentada em quadro demonstrativo próprio ou dentro das mutações do patrimônio líquido (ver exemplo anexo). (Alterado pela NBC TG 26 (R1))

NF-e 4.0 quais são as 10 alterações no novo leiaute?


A NF-e 4.0 já está em execussão em alguns ERPs e com esta nova versão, diversas inconsistências estão ocorrendo, principalmente no que se refere ao FCP-Fundo de Combate a Pobreza. 
Conheça abaixo quais são as 10 mudanças no novo leiaute da NF-e e suas novas exigências:

1. Criação do novo grupo Rastreabilidade de produto

Para possibilitar a rastreabilidade de qualquer produto sujeito a regulações sanitárias (bebidas e comidas por exemplo), a nota fiscal eletrônica deverá apresentar os seguintes campos:
  • Número do lote do produto;
  • Quantidade de produto no lote;
  • Data de fabricação/produção;
  • Data de validade;

E-SOCIAL - Tabela 10 - Tipos de Lotação Tributária

Código
Descrição
Preenchimento do campo {nrInsc}
01
Classificação da atividade econômica exercida pela Pessoa Jurídica para fins de atribuição de código FPAS, inclusive obras de construção civil própria, exceto:
a) empreitada parcial ou sub-empreitada de obra de construção civil (utilizar opção 02);
b) prestação de serviços em instalações de terceiros (utilizar opções 03 a 09);
c) Embarcação inscrita no Registro Especial Brasileiro - REB (utilizar opção 10).
Não preencher
02
Obra de Construção Civil - Empreitada Parcial ou Sub-empreitada
CNO da Obra - A informação do CNPJ do Contratante/Proprietário do CNO é prestada nos sub-registros
03
Pessoa Física Tomadora de Serviços prestados mediante cessão de mão de obra, exceto contratante de cooperativa
CPF do contratante
04
Pessoa Jurídica Tomadora de Serviços prestados mediante cessão de mão de obra, exceto contratante de cooperativa, nos termos da lei 8.212/1991
CNPJ do Estabelecimento Contratante
05
Pessoa Jurídica Tomadora de Serviços prestados por cooperados por intermédio de cooperativa de trabalho, exceto aqueles prestados a entidade beneficente/isenta
CNPJ do Estabelecimento Contratante
06
Entidade beneficente/isenta Tomadora de Serviços prestados por cooperados por intermédio de cooperativa de trabalho
CNPJ do Estabelecimento Contratante
07
Pessoa Física tomadora de Serviços prestados por Cooperados por intermédio de Cooperativa de Trabalho
CPF do contratante
08
Operador Portuário tomador de serviços de trabalhadores avulsos
CNPJ do Operador Portuário
09
Contratante de trabalhadores avulsos não portuários por intermédio de Sindicato
CNPJ ou CPF do Contratante
10
Embarcação inscrita no Registro Especial Brasileiro - REB
Não Preencher
21
Classificação da atividade econômica ou obra própria de construção civil da Pessoa Física
Não preencher
24
Empregador Doméstico
Não preencher
90
Atividades desenvolvidas no exterior por trabalhador vinculado ao Regime Geral de Previdência Social (expatriados)
Não preencher
91
Atividades desenvolvidas por trabalhador estrangeiro vinculado a Regime de Previdência Social Estrangeiro
Não preencher